Quarta-feira, 11 de Dezembro de 2013

Caduco ou persisto

 

 

Outono dos crepúsculos doirados,

De púrpuras, damascos e brocados!

- Vestes a terra inteira de esplendor!


Florbela Espanca

publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 20:56
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Domingo, 25 de Agosto de 2013

Agosto

A leveza da eternidade
versus
o peso dos segundos....


'O mar não é tão fundo que me tire a vida
Nem há tão larga rua que me leve a morte
Sabe-me a boca ao sal da despedida
Meu lenço de gaivota ao vento norte
Meus lábios de água, meu limão de amor
Meu corpo de pinhal à ventania
Meu cedro à lua, minha acácia em flor
Minha laranja a arder na noite fria'

António Lobo Antunes
(Homenagem a Jorge Senna)

 
tags:
publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 10:25
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Domingo, 19 de Maio de 2013

Prémio para Júdice II

POEMA DE AMOR PARA USO TÓPICO

Quero-te, como se fosses
a presa indiferente, a mais obscura
das amantes. Quero o teu rosto
de brancos cansaços, as tuas mãos
que hesitam, cada uma das palavras
que sem querer me deste. Quero
que me lembres e esqueças como eu
te lembro e esqueço: num fundo
a preto e branco, despida como
a neve matinal se despe da noite,
fria, luminosa,
voz incerta de rosa.

NUNO JÚDICE




tags:
publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 12:56
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Prémio para Júdice

A Vida


A vida, as suas perdas e os seus ganhos, a sua 
mais que perfeita imprecisão, os dias que contam 
quando não se espera, o atraso na preocupação 
dos teus olhos, e as nuvens que caíram 
mais depressa, nessa tarde, o círculo das relações 
a abrir-se para dentro e para fora 
dos sentidos que nada têm a ver com círculos, 
quadrados, rectângulos, nas linhas 
rectas e paralelas que se cruzam com as 
linhas da mão; 

a vida que traz consigo as emoções e os acasos, 
a luz inexorável das profecias que nunca se realizaram 
e dos encontros que sempre se soube que 
se iriam dar, mesmo que nunca se soubesse com 
quem e onde, nem quando; essa vida que leva consigo 
o rosto sonhado numa hesitação de madrugada, 
sob a luz indecisa que apenas mostra 
as paredes nuas, de manchas húmidas 
no gesso da memória; 

a vida feita dos seus 
corpos obscuros e das suas palavras 
próximas. 

Nuno Júdice, in "Teoria Geral do Sentimento"



 A vida...

que escapa por entre os dedos, pedaços que

ficam, metades que  escapam, ventos que 

sopram, mãos que soltam ,

mãos que deslaçam, mãos que desfazem,prendem

laços após,

nós,palavras avós, na voz,

nós,pós,vento e razão.

A vida que escapa, a capa, a ilusão.



tags:
publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 12:20
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Quinta-feira, 21 de Março de 2013

Os pássaros fazem cantar as árvores

publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 14:48
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Quarta-feira, 20 de Março de 2013

Para mim é só amanhã

 

Quando vier a Primavera,
Se eu já estiver morto,
As flores florirão da mesma maneira
E as árvores não serão menos verdes que na Primavera passada.
A realidade não precisa de mim.

Sinto uma alegria enorme
Ao pensar que a minha morte não tem importância nenhuma

Se soubesse que amanhã morria
E a Primavera era depois de amanhã,
Morreria contente, porque ela era depois de amanhã.
Se esse é o seu tempo, quando havia ela de vir senão no seu tempo?
Gosto que tudo seja real e que tudo esteja certo;
E gosto porque assim seria, mesmo que eu não gostasse.
Por isso, se morrer agora, morro contente,
Porque tudo é real e tudo está certo.

Podem rezar latim sobre o meu caixão, se quiserem.
Se quiserem, podem dançar e cantar à roda dele.
Não tenho preferências para quando já não puder ter preferências.
O que for, quando for, é que será o que é.

Alberto Caeiro, in "Poemas Inconjuntos"
Heterónimo de Fernando Pessoa  

 

tags:
publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 18:36
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Ruy Belo este domingo no CCB

tags:
publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 16:32
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Sexta-feira, 22 de Fevereiro de 2013

Armas secretas

Começaram  hoje as Correntes d'Escritas, lá na Póvoa de Varzim.

Gostei de ouvir  a comunicação de Maria Teresa Horta com «De que armas disporemos se não destas que estão dentro do corpo» (de um poema de Hélia Correia).

Lembrei-me  logo da ' Arma secreta' do  António Gedeão ( Rómulo de Carvalho) e da infantil  encenação que eu fazia à volta da sua declamação, nos íntimos jantares de família. 

E com a mesma infantilidade , pois a minha escrita  continua muito naif e pouco literária ,  comecei a brincar com palavras.


De que armas disponho?

Voz que voa,

sangue e brisa,

fogo ardente,

gelo quente.

Tudo ou nada.

Sol  ausente.

E um não sei quê emergente

que me prende

paralisa.

 

De que armas disponho?

Quase nada.

Tanto tudo.

E o terrível abismo

Bivalente….inocente

de estar longe

indiferente

mas ter vontade de mais,

mais e tudo

docemente.

 Avidamente partir….

voltar só e descontente.

 

De que arma disponho?

Foi secreta.

Foi semente.

Hoje rara , raramente

é vertigem divergente.

Cresceu. Amadureceu.

Mas continua imprudente.

É a eterna utopia de rasgar o aparente.

 

De que armas disponho?

Só do amor.

Simplesmente.



publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 22:11
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
 O que é? |  O que é?
Quinta-feira, 6 de Dezembro de 2012

Ouviste a chuva hoje, ouviste?!

 ....Não façam burulho!! - pediam baixinho, como se esperassem sons mágicos, vindo dos bosques secretos que só conhecem nos livros.

- Não façam barulho.......

 Lá fora bateladas sinfónicas martelavam nos telhados de chapa.

O céu ia desabar nas suas cabeças de sonhos possíveis. Mas nada roubava os seus sorrisos de encantamento.

- Não façam barulho! Vamos ficar caladinhos a ouvir a chuva.

 É tão linda !!

 

  

  

 

 

 

 

Um Dia de Chuva

 

Um dia de chuva é tão belo como um dia de sol.
Ambos existem; cada um como é.



Alberto Caeiro, in "Poemas Inconjuntos"
Heterónimo de Fernando Pessoa

publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 21:31
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Quinta-feira, 22 de Novembro de 2012

Quero colo de mãe!

 

 

 

"A Lua nasceu e cresceu no além
A noite chegou também
Vai dormir meu amor
Vai dormir e sonhar
Deixa a lua crescer lá no ar

A roca poisou e largou seu fiar
Os olhos vai já fechar...
Nada pode impedir
Que o amor durma bem
Nem mau sonho há-de vir
Nem ninguém.

Tu verás meu amor
Como é bom sonhos ter
Deus te dê o melhor que houver.
Anjo meu faz ó ó.
Que eu velo por ti
Só aos anjos a lua sorri."

 

 

Cancioneiro popular português

tags:
publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 21:20
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Terça-feira, 13 de Novembro de 2012

Tudo muda

 

 

 

Como tu

 

Olha o céu

tão azul

que agora ficou cinzento:

vai voltar a ser azul

e a ter sol.

 

Olha a luz

a partir-se,

bocadinho de arco-íris:

vai ficar da cor de arara

ou de pavão,

a  luz.

 

Tudo muda

tudo cresce

e se transforma.

 

Como tu-

 

Ana Luísa Amaral

 

 

 

 


tags:
publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 21:11
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Domingo, 28 de Outubro de 2012

Hibernação

 

 

Viver sempre também cansa.

O sol é sempre o mesmo e o céu azul
ora é azul, nitidamente azul,
ora é cinzento, negro, quase-verde...
Mas nunca tem a cor inesperada.

O mundo não se modifica.
As árvores dão flores,
folhas, frutos e pássaros
como máquinas verdes.

As paisagens também não se transformam.
Não cai neve vermelha,
não há flores que voem,
a lua não tem olhos
e ninguém vai pintar olhos à lua.

Tudo é igual, mecânico e exacto.

Ainda por cima os homens são os homens.
Soluçam, bebem, riem e digerem
sem imaginação.

E há bairros miseráveis, sempre os mesmos,
discursos de Mussolini,
guerras, orgulhos em transe,
automóveis de corrida...

E obrigam-me a viver até à Morte!

Pois não era mais humano
morrer por um bocadinho,
de vez em quando,
e recomeçar depois,
achando tudo mais novo?

Ah! se eu pudesse suicidar-me por seis meses,
morrer em cima dum divã
com a cabeça sobre uma almofada,
confiante e sereno por saber
que tu velavas, meu amor do Norte.

Quando viessem perguntar por mim,
havias de dizer com teu sorriso
onde arde um coração em melodia:
«Matou-se esta manhã.
Agora não o vou ressuscitar
por uma bagatela.»

E virias depois, suavemente,
velar por mim, subtil e cuidadosa,
pé ante pé, não fosses acordar
a Morte ainda menina no meu colo...


José Gomes Ferreira, in Viver Sempre Também Cansa (1931)

tags:
publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 17:14
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Quarta-feira, 10 de Outubro de 2012

T-E-M-P-O

 ( Dizem que a idade se 'cola' à estação do ano.

Eu cada vez estou mais outono.

E gosto ! )

 

 

'Não me mostres nenhum norte
nem estradas para lá:
são tudo embustes.

Mostra-me antes pedras, folhas mortas
de Outono atapetando o chão das matas,
voos de libelinha rasando o sol poente,
cândidas risadas infantis.

Quero eu dizer: mostra-me coisas
daquelas que se corrompem sem pressa.'


(A.M. Pires Cabral)

 

 

 

publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 07:19
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Domingo, 15 de Julho de 2012

O bloguista também é um fingidor !

O bloguista também é um fingidor!!!! 

 

 

AUTOPSICOGRAFIA

O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.

E os que lêem o que escreve,
Na dor lida sentem bem,
Não as duas que ele teve,
Mas só a que eles não têm.

E assim nas calhas da roda
Gira, a entreter a razão,
Esse comboio de corda
Que se chama o coração.

Fernando Pessoa

 

tags:
publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 10:39
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Domingo, 8 de Julho de 2012

Terra das andorinhas

 

 

—Nos
—fios
—ten
sos

—da
—pauta
—de me-
tal

—as
— an/
do/
ri/
nhas
—gri-
tam

—por
—fal/
ta/
—de u-
ma
—cl'a-
ve
—de
—sol

 

 

 

António Nobre

 

 

....Mas na terra das andorinhas  há árvores e ramos e troncos ....

....e os  fios tensos das pautas  de metal estão vazios e mudos.....

e a música enfeita todo o pomar.

publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 13:40
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Terça-feira, 26 de Junho de 2012

Ah ?!!!! Isso depende ....

 

 

 

Não prepares as palavras que gritas.

Fala consoante a loucura que te seduziu.

Enforca-te, bravo Crillon, eles te tirarão da forca com o seu Isso depende.

Daquilo que tem a cabeça sobre os ombros, abstem-te.

Forma os teus olhos fechando-os.

Deixa a madrugada aumentar a ferrugem dos teus sonhos.

Desenha na poeira os jogos desinteressados do teu tédio.


Nunca esperes por ti.

 

- André Breton e Paul Éluard
in A Imaculada Concepção, Estúdios Cor

publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 21:38
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Quinta-feira, 21 de Junho de 2012

Num dia de verão

 

Como quem num dia de Verão abre a porta de casa
E espreita para o calor dos campos com a cara toda,
Às vezes, de repente, bate-me a Natureza de chapa
Na cara dos meus sentidos,

E eu fico confuso, perturbado, querendo perceber
Não sei bem como nem o quê...


Mas quem me mandou a mim querer perceber?
Quem me disse que havia que perceber?

 

Quando o Verão me passa pela cara
A mão leve e quente da sua brisa,
Só tenho que sentir agrado porque é brisa
Ou que sentir desagrado porque é quente,
E de qualquer maneira que eu o sinta,
Assim, porque assim o sinto, é que é meu dever senti-lo...

 
Alberto Caeiro

 

tags:
publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 20:21
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Quarta-feira, 13 de Junho de 2012

Plural

'' Ser descontente é ser homem. "

 



tags:
publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 19:03
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Terça-feira, 29 de Maio de 2012

Dombéias

 Árvore, árvore....

 

Um dia serei árvore.
Com a maternal cumplicidade do verão.
Que pombos torcazes
anunciam.

Um dia abandonarei as mãos
ao barro ainda quente do silêncio,
subirei pelo céu,
......às árvores são consentidas coisas assim.

Habitarei então o olhar nu,
fatigado do corpo,

 esse deserto
repetido nas águas,
enquanto a bruma é sobre as folhas
que pousa as mãos molhadas.


E o lume.

 

Eugénio de Andrade, Com o Sol em cada Sílaba

publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 18:49
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Segunda-feira, 28 de Maio de 2012

Encontrar me nas palavras dos outros....

..... e fugir das minhas próprias palavras ???

 

        De uma só vez recolhe

        Quantas flores puderes.
        Não dura mais que até à morte o dia.
        Colhe de que recordes.
 
        A vida é pouco e cerca-a
        A sombra e o sem remédio.
        Não temos regras que compreendamos,
        Súbditos sem governo.
 
        Goza este dia como
        Se a Vida fosse nele.
        Homens nem deuses fadam, nem destinam
        Senão o que ignoramos.

                                       Ricardo Reis

 

tags:
publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 07:13
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Sábado, 21 de Abril de 2012

Sei lá.....

O meu mundo não é como o dos outros,
quero demais, exijo demais,
há em mim uma sede de infinito,
uma angústia constante
que nem eu mesma compreendo,
pois estou longe de ser uma pessimista;
sou antes uma exaltada,
com uma alma intensa,
violenta, atormentada,
uma alma que não se sente bem onde está,
que tem saudade... sei lá de quê!


Florbela Espanca

tags:
publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 18:28
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Metamorfoses

No início,
eu queria um instante.
A flor.

Depois,
nem a eternidade me bastava.
E desejava a vertigem
do incêndio partilhado.
O fruto.

Agora,
quero apenas
o que havia antes de haver vida.
A semente.


Mia Couto

 

tags:
publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 18:06
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Quinta-feira, 29 de Março de 2012

Alimento

Se Me Esqueceres

 

 Quero que saibas
uma coisa.

Sabes como é:
se olho
a lua de cristal, o ramo vermelho
do lento outono à minha janela,
se toco
junto do lume
a impalpável cinza
ou o enrugado corpo da lenha,
tudo me leva para ti,
como se tudo o que existe,
aromas, luz, metais,
fosse pequenos barcos que navegam
até às tuas ilhas que me esperam.

Mas agora,
se pouco a pouco me deixas de amar
deixarei de te amar pouco a pouco.

Se de súbito
me esqueceres
não me procures,
porque já te terei esquecido.

Se julgas que é vasto e louco
o vento de bandeiras
que passa pela minha vida
e te resolves
a deixar-me na margem
do coração em que tenho raízes,
pensa
que nesse dia,
a essa hora
levantarei os braços
e as minhas raízes sairão
em busca de outra terra.

Porém
se todos os dias,
a toda a hora,
te sentes destinada a mim
com doçura implacável,
se todos os dias uma flor
uma flor te sobe aos lábios à minha procura,
ai meu amor, ai minha amada,
em mim todo esse fogo se repete,
em mim nada se apaga nem se esquece,
o meu amor alimenta-se do teu amor,
e enquanto viveres estará nos teus braços
sem sair dos meus.

Pablo Neruda, in "Poemas de Amor de Pablo Neruda"

 

tags:
publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 22:00
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Domingo, 25 de Março de 2012

Ontem no CCB...com Leal.

 

O minuto certo

 

Dizia-te do minuto certo. Do minuto certo do amor. Dizia-te que queria olhar para os teus olhos e ter a certeza que pensavas em mim. Que me pensavas por dentro. Que era eu a tua fantasia, o teu banco de trás. O teu desconforto de calças caídas, de pernas caídas, da rua que não estava fechada porque nenhuma rua se fecha para o amor.

Na cidade do meu sono, havia palmeiras onde alguns repetiam putas e charros e atiravam pedras ao rio. Mas eu nunca gostei de clichés. Nem de quartos de hotel. Nem de camas que não conheço. Eu nunca abri as pernas, entendes? Nunca abri as pernas no liceu. Nunca abri as pernas aos dezassete anos, de cigarro na mão. Eu nunca me comovi com o sonho de ser tua. Eu nunca quis que ficasses, entendes? Que viesses. Queria que quisesses de mim esse minuto certo, essa rua húmida de ser norte. Queria que me quisesses certa, exacta, como o minuto onde me pudesses encontrar. Eu nunca quis de ti uma continuidade, mas um alívio, uma noção de ser gente, entendes? Eu nunca quis de ti o sonho do sono ou da viagem. Nunca te pedi o pequeno-almoço, a ternura. Nunca te disse que me abraçasses por trás, que adormecesses. Eu nunca quis que me desses casa e filhos e lógica. Que me convidasses para dançar. Queria os teus olhos a fecharem-se comigo por dentro e tu por dentro de mim.

Queria de ti um minuto. Um minuto.

 

 

Filipa Leal

tags:
publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 16:44
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Ontem no CCB...com Amaral

 

Reflexos

 

Olho-te pelo reflexo
Do vidro
E o coração da noite

 

E o meu desejo de ti
São lágrimas por dentro,
Tão doídas e fundas
Que se não fosse:

 

                          o tempo de viver;
                          e a gente em social desencontrado;
                          e se tivesse a força;
e a janela ao meu lado
                          fosse alta e oportuna,

 

invadia de amor o teu reflexo
e em estilhaços de vidro
mergulhava em ti.
 

In «Anos 90 e Agora Ana Luísa Amaral

tags:
publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 16:09
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Ontem no CCB...com Horta

 

Segredo

 

Não contes do meu
vestido
que tiro pela cabeça

nem que corro os
cortinados
para uma sombra mais espessa

Deixa que feche o
anel
em redor do teu pescoço
com as minhas longas
pernas
e a sombra do meu poço

Não contes do meu
novelo
nem da roca de fiar

nem o que faço
com eles
a fim de te ouvir gritar

Maria Teresa Horta, in “Poesia Completa”

 

 

tags:
publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 15:41
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Ontem no CCB...com Júdice

 

 "Pedro, lembrando Inês", de Nuno Júdice

Em que pensar, agora, senão em ti? Tu, que
me esvaziaste de coisas incertas, e trouxeste a
manhã da minha noite. É verdade que te podia
dizer: «Como é mais fácil deixar que as coisas
não mudem, sermos o que sempre fomos, mudarmos
apenas dentro de nós próprios?» Mas ensinaste-me
a sermos dois; e a ser contigo aquilo que sou,
até sermos um apenas no amor que nos une,
contra a solidão que nos divide. Mas é isto o amor:
ver-te mesmo quando te não vejo, ouvir a tua
voz que abre as fontes de todos os rios, mesmo
esse que mal corria quando por ele passámos,
subindo a margem em que descobri o sentido
de irmos contra o tempo, para ganhar o tempo
que o tempo nos rouba. Como gosto, meu amor,
de chegar antes de ti para te ver chegar: com
a surpresa dos teus cabelos, e o teu rosto de água
fresca que eu bebo, com esta sede que não passa.
Tu:
a primavera luminosa da minha expectativa,
a mais certa certeza de que gosto de ti, como
gostas de mim, até ao fim do mundo que me deste.

(in Pedro, lembrando Inês
tags:
publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 15:33
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Sexta-feira, 16 de Março de 2012

Espanca

tags:
publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 23:56
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Terça-feira, 13 de Março de 2012

Sabe a prunus pissardii em flor

 Respiro o teu corpo: 
 sabe a lua-de-água ao amanhecer,
 sabe a cal molhada,
 sabe a luz mordida,
 sabe a brisa nua,
 ao sangue dos rios,
 sabe a rosa louca,
 ao cair da noite sabe a pedra amarga,
 sabe à minha boca.
 
 Eugénio de Andrade

 

 
 
publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 21:43
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Quinta-feira, 8 de Março de 2012

Florbela

Se tu viesses ver-me hoje à tardinha,
A essa hora dos mágicos cansaços,
Quando a noite de manso se avizinha,
E me prendesses toda nos teus braços…

 



tags:
publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 21:39
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Quarta-feira, 22 de Fevereiro de 2012

Tisanas - um antídoto contra o cinzento dos dias

 

319
O mar é a minha mais antiga obsessão. Vivi sempre perto do mar e dum mar que encheu a minha infância de alterosas vagas povoando de terror os meus sonhos. Mas longe do mar ainda hoje sinto um inexplicável exílio.
Penso nisto lendo um livro de A.S. De repente, na página 289, está escrito: envelhecer é multiplicar-se interiormente.

Ana Hatherly, "351 Tisanas", Quimera Editores, Lisboa 1997

 

 

 

 

A partir de hoje no Teatro do Bairro.

tags:
publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 20:53
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Sexta-feira, 10 de Fevereiro de 2012

A morte do poeta

O pão

 

 Há pessoas que amam

Com os dedos todos sobre a mesa.

Aquecem o pão com o suor do rosto

E quando as perdemos estão sempre

Ao nosso lado.

Por enquanto não nos tocam:

A lua encontra o pão caiado que comemos

Enquanto o riso das promessas destila

Na solidão da erva.

Estas pessoas são o chão

Onde erguemos o sol que nos falhou os dedos

E pôs um fruto negro no lugar do coração.

Estas pessoas são o chão

Que não precisa de voar.

 

Rui Costa ( 1972- 2012)

 

Os poetas continuam a viver intensamente, cada segundo,......tendo crises invisíveis,atirando-se de pontes, cortando os pulsos.....

 

 

tags:
publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 19:51
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Segunda-feira, 13 de Junho de 2011

pessoas em Pessoa

Se, depois de eu morrer...

Se, depois de eu morrer, quiserem escrever a minha biografia,
Não há nada mais simples.
Tem só duas datas --- a da minha nascença e a da minha morte.
Entre uma e outra todos os dias são meus.

Sou fácil de definir.
Vi como um danado.
Amei as coisas sem setimentalidade nenhuma.
Nunca tive um desejo que não pudesse realizar, porque nunca ceguei.
Mesmo ouvir nunca foi para mim senão um acompanhamento de ver.
Compreendi que as coisas são reais e todas diferentes umas das outras;
Compreendi isto com os olhos, nunca com o pensamento.
Compreender isto com o pensamento seria achá-las todas iguais.
Um dia deu-me o sono como a qualquer criança.
Fechei os olhos e dormi.
Além disso fui o único poeta da Natureza.

                                         Alberto Caeiro


tags:
publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 12:41
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
 O que é? |  O que é?
Sábado, 19 de Fevereiro de 2011

Mimos guardados dentro das mãos

 

Beija-me as mãos,

  Amor,

 devagarinho ...

Como se os dois nascêssemos irmãos,

 Aves cantando, ao sol, no mesmo ninho ...

Beija-mas bem! ...

Que fantasia louca

Guardar assim, fechados, nestas mãos

Os beijos que sonhei prà minha boca! ...

 

 Florbela Espanca, in "Livro de Mágoas"

publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 19:02
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Domingo, 16 de Janeiro de 2011

Complexo paralelo

 Começo a conhecer-me. Não existo.

 

 Começo a conhecer-me.

 Não existo.

 Sou o intervalo entre o que desejo ser e os outros me fizeram,

 ou metade desse intervalo, porque também há vida ... Sou isso, enfim ...

 Apague a luz, feche a porta e deixe de ter barulhos de chinelos no corredor.

 Fique eu no quarto só com o grande sossego de mim mesmo.

 É um universo barato.

 

Álvaro de Campos

tags:
publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 20:10
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Sábado, 15 de Janeiro de 2011

Desejos

 

O que desejei às vezes

O que desejei às vezes
Diante do teu olhar,
Diante da tua boca! 
 

 

Quase que choro de pena
Medindo aquela ansiedade
Pela de hoje - que é tão pouca!

  

Tão pouca que nem existe!

  

De tudo quanto nós fomos,
Apenas sei que sou triste.

   António Botto 

 

tags:
publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 16:45
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Terça-feira, 2 de Novembro de 2010

Sinais vermelhos

É sempre a mesma curva

cega, neste troço de pedra lascada,

não há como escapar

às primeiras chuvas

ao piso escorregadio dos olhos,

despiste, falésia mortal,

o coração não entende

sinais vermelhos.

 

Renata Correia Botelho

tags:
publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 17:14
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Segunda-feira, 25 de Outubro de 2010

Indiferença

 

 

O vento agita as sombras na minha mão,

 lança-me vultos, um nome em chamas, versos afiados contra os dedos.

Sempre pressenti a distância mínima entre o poema

e o medo de não saber regressar a casa.

Já nada nos lembra que o poema só se forma no fio da navalha.

 

Renata Correia Botelho

[in Um Circo no Nevoeiro, Averno, 2009]

 

publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 20:58
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Quarta-feira, 14 de Julho de 2010

Ensaio para a cegueira

 
 
fingir que está tudo bem

 

 

fingir que está tudo bem: o corpo rasgado e vestido
com roupa passada a ferro, rastos de chamas dentro
do corpo, gritos desesperados sob as conversas: fingir
que está tudo bem: olhas-me e só tu sabes: na rua onde
os nossos olhares se encontram é noite: as pessoas
não imaginam: são tão ridículas as pessoas, tão
desprezíveis: as pessoas falam e não imaginam: nós
olhamo-nos: fingir que está tudo bem: o sangue a ferver
sob a pele igual aos dias antes de tudo, tempestades de
medo nos lábios a sorrir: será que vou morrer?, pergunto
dentro de mim: será que vou morrer? olhas-me e só tu sabes:
ferros em brasa, fogo, silêncio e chuva que não se pode dizer:
amor e morte: fingir que está tudo bem: ter de sorrir: um
oceano que nos queima, um incêndio que nos afoga.

 

José Luís Pexoto

 

 

tags:
publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 20:03
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Terça-feira, 6 de Julho de 2010

Era uma vez... para sempre!

"Prendo-te com minha mão

 

num afago que te dou...

 

Nossa conversa é tão muda

 

como um filme de Charlot."

 

 

 

Matilde Rosa Araújo

tags:
publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 21:40
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Domingo, 21 de Março de 2010

É Primavera....venha de lá um poema

Mimosas

 

 

Todos os anos na mesma altura
a montanha veste o mesmo vestido amarelo
para ver se ainda lhe serve na cintura

(in "O Poeta Nu", Jorge Sousa Braga)

 

tags:
publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 22:25
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Segunda-feira, 22 de Fevereiro de 2010

A poesia é o antídoto da imbecilidade ou da inocência???

«Posso morrer porque amei e porque fui amada. Gostei de homens, de mulheres, de velhas (de velhos não), de bebés, de bichos, de plantas, de casas, de filmes, de concertos, de quadros, de teorias, de jogos, de pastéis de nata, de jesuítas, de russos, de hamburgers, de Paris e de Londres. Nunca fui a Nova York e gostava de ir, mas não me importo de morrer sem ter ido. Também nunca tive um orgasmo, mas posso morrer sem nunca ter tido um orgasmo. Não me arrependo de nada. É claro que Nova York não se compara com um orgasmo. Um orgasmo é muito mais importante.»

 

 

 

LOPES, Adília, “Irmã Barata, Irmã Batata”, Braga: Angelus Novus, 2000. p. 13-14.

tags:
publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 17:54
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
 O que é? |  O que é?
Terça-feira, 2 de Fevereiro de 2010

Rosa

 

« Morrer é uma coisa fascinante...» dizia.

 

 

 

«E de novo a armadilha dos abraços.
E de novo o enredo das delícias.
O rouco da garganta, os pés descalços
a pele alucinada de carícias.
As preces, os segredos, as risadas
no altar esplendoroso das ofertas.
De novo beijo a beijo as madrugadas
de novo seio a seio as descobertas.
Alcandorada no teu corpo imenso
teço um colar de gritos e silêncios
a ecoar no som dos precipícios.
E tudo o que me dás eu te devolvo.
E fazemos de novo, sempre novo
o amor total dos deuses e dos bichos.»


Rosa Lobato Faria (Actriz, escritora, autora e poetisa portuguesa, 1932- 2 de Fevereiro 2010 )
 

tags:
publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 16:04
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Sexta-feira, 18 de Dezembro de 2009

Os nós e os laços

Cada dia é mais evidente que partimos

 

Desatar os nós

 
Cada dia é mais evidente que partimos
Sem nenhum possível regresso no que fomos,
Cada dia as horas se despem mais do alimento:
Não há saudades nem terror que baste.

 

Sophia de Mello Breyner Andresen
Antologia
Círculo de Poesia
Moraes Editores
1975

publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 23:55
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Domingo, 6 de Dezembro de 2009

rua da saudade

Saudades de Ary...

 

 

este mar não tem cura

este céu não tem ar
nós parámos o vento

não sabemos nadar
e morremos morremos
devagar devagar.

 

 

tags:
publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 20:20
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Domingo, 1 de Novembro de 2009

Regresso...

  Ver mais aqui : www.youtube.com/watch

Jorge de Sena faria 90 anos no dia 2 de Novembro. Sepultado no Cemitério dos Prazeres, 31 anos depois de ter morrido na Califórnia, Sena só regressou à pátria depois de morto. Que razões teve Jorge de Sena - um dos maiores escritores do século XX, um dos gigantes da Língua Portuguesa - para ter estado tão zangado com Portugal? Será verdade que era sempre truculento, irascível?

 

Sinais de fogo
 
Sinais de fogo, os homens se despedem.
exaustos e tranquilos, destas cinzas frias.
E o vento que essas cinzas nos dispersa
não é de nós, mas é quem reacende
outros sinais ardendo na distância
um breve instante, gestos e palavras.
ansiosas brasas que se apagam logo.



Jorge de Sena
in Visão Perpétua
Julho/Agosto 1967

 

tags:
publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 19:03
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Domingo, 25 de Outubro de 2009

Estranhas formas

 
Foi por vontade de Deus
que eu vivo nesta ansiedade.
Que todos os ais são meus,
Que é toda minha a saudade.
Foi por vontade de Deus.

Que estranha forma de vida
tem este meu coração:
vive de forma perdida;
Quem lhe daria o condão?
Que estranha forma de vida.

Coração independente,
coração que não comando:
vive perdido entre a gente,
teimosamente sangrando,
coração independente.

Eu não te acompanho mais:
pára, deixa de bater.
Se não sabes aonde vais,
porque teimas em correr,
eu não te acompanho mais.

by Amália Rodrigues
publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 22:24
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Sábado, 3 de Outubro de 2009

________________________ - al I

 

Mesmo
uma linha
recta
é o labirinto
porque
entre
cada dois pontos
está o infinito.

 

Adília Lopes

tags:
publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 11:56
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Domingo, 13 de Setembro de 2009

Exílio em mim...

Quando chega o Outono....

 

 Na sua cidadezinha rural não a poderiam compreender. Consideravam-na uma excêntrica, um ser fora da realidade, um "mito" (como em Amherst era apelidada), especialmente depois que decidiu vestir-se apenas de branco. Seu pai sentia-se perplexo ante seu procedimento que não obedecia aos parâmetros convencionais. Sua mãe considerava-a um mistério e uma constante surpresa. Emily, deliberadamente, isolou-se em si mesma. Seu exílio foi a alternativa lógica para realizar-se como ser humano ímpar, dando corpo a sua genialidade.

 

O exemplo abaixo demonstra a dificuldade de tradução do poema "A word is dead" de Dickinson.

                                             A word is dead
                                    When it is said,
                                    Some say.
                                    I say it just
                                    Begins to live
                                    That day.

                                                     TV EMILY DICKINSON

tags:
publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 09:29
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
 O que é? |  O que é?
Segunda-feira, 20 de Julho de 2009

Natália Correia

 

O ESPÍRITO


Nada a fazer amor, eu sou do bando
Impermanente das aves friorentas;
E nos galhos dos anos desbotando
Já as folhas me ofuscam macilentas;

E vou com as andorinhas. Até quando?
À vida breve não perguntes: cruentas
Rugas me humilham. Não mais em estilo brando
Ave estroina serei em mãos sedentas.

Pensa-me eterna que o eterno gera
Quem na amada o conjura. Além, mais alto,
Em ileso beiral, aí espera:

Andorinha indemne ao sobressalto
Do tempo, núncia de perene primavera.
Confia. Eu sou romântica. Não falto.

Natália Correia
 

tags:
publicado por SEMLINHASCRUZADAS às 20:30
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Caduco ou persisto

. Agosto

. Prémio para Júdice II

. Prémio para Júdice

. Os pássaros fazem cantar...

. Para mim é só amanhã

. Ruy Belo este domingo no ...

. Armas secretas

. Ouviste a chuva hoje, ouv...

. Quero colo de mãe!

. Tudo muda

. Hibernação

. T-E-M-P-O

. O bloguista também é um ...

. Terra das andorinhas

. Ah ?!!!! Isso depende .....

. Num dia de verão

. Plural

. Dombéias

. Encontrar me nas palavras...

. Sei lá.....

. Metamorfoses

. Alimento

. Ontem no CCB...com Leal.

. Ontem no CCB...com Amaral

. Ontem no CCB...com Horta

. Ontem no CCB...com Júdice

. Espanca

. Sabe a prunus pissardii e...

. Florbela

. Tisanas - um antídoto con...

. A morte do poeta

. pessoas em Pessoa

. Mimos guardados dentro da...

. Complexo paralelo

. Desejos

. Sinais vermelhos

. Indiferença

. Ensaio para a cegueira

. Era uma vez... para sempr...

. É Primavera....venha de ...

. A poesia é o antídoto da ...

. Rosa

. Os nós e os laços

. rua da saudade

. Regresso...

. Estranhas formas

. ________________________ ...

. Exílio em mim...

. Natália Correia

.arquivos

. Junho 2014

. Março 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

.tags

. todas as tags

.links

."Quando eu morrer voltarei para buscar os instantes que não vivi junto do mar". Sophia de Mello Breyner Andresen

.MIRÓ

.Mário Cesariny

tudo no teu sorriso diz que só te falta um pretexto para seres feliz uma querela talvez chegasse ou um pequeno pastor que passasse na estrada, com suas ovelhas um riso, um pormenor que no momento se pousasse e o tornasse melhor eu vou pensando em coisas velhas - sem sombra de desdém! - na vida naquele lampejo fugace que o teu sorriso já não tem e que é do passado porque a nossa grande sabedoria não soube tratar ente tão delicado e declina, o dia o pequeno pastor já não vem (Mário Cesariny, manual de prestidigitação, Assírio & Alvim)

.MARC CHAGALL

Chagall Pictures, Images and Photos

.És responsável por quem cativas

free web counter

.AS FADAS As fadas...eu creio nelas! Umas são moças e belas, Umas vivem nos rochedos, Outras, à beira do mar...

Chamo-Te porque tudo está ainda no princípio E suportar é o tempo mais comprido. Peço-Te que venhas e me dês a liberdade, Que um só de Teus olhares me purifique e acabe. Há muitas coisas que não quero ver. Peço-Te que sejas o presente. Peço-Te que inundes tudo. E que o Teu reino antes do tempo venha E se derrame sobre a Terra Em Primavera feroz precipitado. Sophia de Mello Breyner Andresen

.Ser poeta é ser mais alto...

Ser poeta é ser mais alto, é ser maior Do que os homens! Morder como quem beija! É ser mendigo e dar como quem seja Rei do Reino de Aquém e de Além Dor! É ter de mil desejos o esplendor E não saber sequer que se deseja! É ter cá dentro um astro que flameja, É ter garras e asas de condor! É ter fome, é ter sede de Infinito! Por elmo, as manhãs de oiro e de cetim... É condensar o mundo num só grito! E é amar-te, assim, perdidamente... É seres alma, e sangue, e vida em mim E dizê-lo cantando a toda a gente!

.RAÍZES

Quem me dera ter raízes, que me prendessem ao chão. Que não me deixassem dar um passo que fosse em vão. Que me deixassem crescer silencioso e erecto, como um pinheiro de riga, uma faia ou um abeto. Quem me dera ter raízes, raízes em vez de pés. Como o lódão, o aloendro, o ácer e o aloés. Sentir a copa vergar, quando passasse um tufão. E ficar bem agarrado, pelas raízes, ao chão. (in Herbário) jORGE sOUSA bRAGA

.Somewhere over the rainbow

Quase Um pouco mais de sol - eu era brasa, Um pouco mais de azul - eu era além. Para atingir, faltou-me um golpe de asa... Se ao menos eu permanecesse aquém... Assombro ou paz? Em vão... Tudo esvaído Num grande mar enganador de espuma; E o grande sonho despertado em bruma, O grande sonho - ó dor! - quase vivido... Quase o amor, quase o triunfo e a chama, Quase o princípio e o fim - quase a expansão... Mas na minh'alma tudo se derrama... Entanto nada foi só ilusão! De tudo houve um começo ... e tudo errou... - Ai a dor de ser - quase, dor sem fim... Eu falhei-me entre os mais, falhei em mim, Asa que se enlaçou mas não voou... Momentos de alma que, desbaratei... Templos aonde nunca pus um altar... Rios que perdi sem os levar ao mar... Ânsias que foram mas que não fixei... Se me vagueio, encontro só indícios... Ogivas para o sol - vejo-as cerradas; E mãos de herói, sem fé, acobardadas, Puseram grades sobre os precipícios... Num ímpeto difuso de quebranto, Tudo encetei e nada possuí... Hoje, de mim, só resta o desencanto Das coisas que beijei mas não vivi... Um pouco mais de sol - e fora brasa, Um pouco mais de azul - e fora além. Para atingir faltou-me um golpe de asa... Se ao menos eu permanecesse aquém...

.Florbela Espanca

Escreve-me! Ainda que seja só Uma palavra, uma palavra apenas, Suave como o teu nome e casta Como um perfume casto d’açucenas! Escreve-me! Há tanto, há tanto tempo Que te não vejo, amor! Meu coração Morreu já, e no mundo aos pobres mortos Ninguém nega uma frase d’oração! “Amo-te!” Cinco letras pequeninas, Folhas leves e tenras de boninas, Um poema d’amor e felicidade! Não queres mandar-me esta palavra apenas? Olha, manda então… brandas… serenas… Cinco pétalas roxas de saudade… Florbela Espanca - O Livro D’Ele ********************************************* De tudo, ao meu amor serei atento Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto Que mesmo em face do maior encanto Dele se encante mais meu pensamento. Quero vivê-lo em cada vão momento E em seu louvor hei de espalhar meu canto E rir meu riso e derramar meu pranto Ao seu pesar ou seu contentamento. E assim, quando mais tarde me procure Quem sabe a morte, angústia de quem vive Quem sabe a solidão, fim de quem ama Eu possa dizer do meu amor (que tive): Que não seja imortal, posto que é chama Mas que seja infinito enquanto dure. Vinicius de Moraes *************************************************** Palavras que disseste e já não dizes, palavras como um sol que me queimava, olhos loucos de um vento que soprava em olhos que eram meus, e mais felizes. Palavras que disseste e que diziam segredos que eram lentas madrugadas, promessas imperfeitas, murmuradas enquanto os nossos beijos permitiam. Palavras que dizias, sem sentido, sem as quereres, mas só porque eram elas que traziam a calma das estrelas à noite que assomava ao meu ouvido... Palavras que não dizes, nem são tuas, que morreram, que em ti já não existem — que são minhas, só minhas, pois persistem na memória que arrasto pelas ruas. Pedro Tamen, in “Tábua das Matérias” *************************************************** ********************